Pesquisar este blog

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

O FIM DA ENDURANCE NO BRASIL - PARTE 3

CATEGORIAS TOP E O BRASIL
            Para concluir com chave de ouro a postagem anterior, o grande Rui Amaral Jr., lembrou-me de uma postagem de seu Blog Histórias Que Vivemos, narrada pelo amigo Fabiano Guimarães, durante uma das etapas do Paulista de Velocidade no asfalto de 2012. Vale a pena ler essa narrativa.
            Antes de qualquer coisa, quero deixar bem claro que não acredito na briga de Classes sociais dentro do automobilismo, achando que categorias como Stock Car, Porsche Cup, GT Brasil, Brasileiro de Marcas entre outras, acabam com o automobilismo nacional. Não acho que tecnologia e modernidade são ruins. Só acredito no bom e velho “Quem pode mais, chora menos”.
            Contudo, certos “Automobilistas” querem elevar tanto o esporte de uma só vez, que o torna proibitivo para os outros, seja no custo da inscrição, seja no equipamento exigido, seja nas estratégias de mídia mal planejadas. Provas como Mil Milhas e 500Km deveriam viver apenas pelo nome delas, mas não é assim que funciona.
            Outra coisa que a maioria das categorias TOP no Brasil acabam atrapalhando é o mercado de preparadores, pois em sua grande maioria tem regulamentos engessados, ou contam apenas com um fornecedor e preparador, isso acaba diminuindo o mercado e a competitividade no que se trata em preparação.
            Gostaria de ver essas categorias como degrau para que os empresários pilotos, ou pilotos empresários se animassem a participar mais desse esporte. Contudo para a grande maioria não há aquele gosto de novos desafios, eles ficam enfornados na “panelinha” e basta para eles. Queria ver provas como uma Mil Milhas um desafio entre categorias e preparadores regionais. Ver um GT ser batido por um protótipo que saiu do fundo do quintal. Gostaria de ver as grandes marcas estrangeiras virem com super canhões e deparar com um bólido nacional apertando os calcanhares deles, ou indo mais a frente, pois o canhão europeu não agüentou a duração e exigência do desafiador Interlagos.
GRID DEMOCRÁTICO

PORSCHES ALINHADOS LADO A LADO COM PROTÓTIPOS NACIONAIS

NA ENTRADA DO "S" DO SENNA, UM PASSAT UM ALDEE E UM PORSCHE DIVIDINDO A CURVA EM HARMONIA
            Já tive até o sonho de convidar uma ou mais equipes do GT Japonês, um Turismo Carretera, para disputar com nossos carros e pilotos.
            Mas para uns isso é um sacrilégio, ver por exemplo um Omega dividir o “S” do Senna com um Porsche, ou BMW. Ter carros com uma cilindrada menor mas com uma duração maior do que muito canhão ficar na frente. Mas essa que é a beleza da Endurance. Fora o público, em 1998 a vitória das Mil Milhas ficou com o trio, Tom Stefani, André Grillo, Júlio Fernandes, com o AS Vectra (AS sigla em homenagem a Ayrton Senna), estávamos eu, meu pai, meus irmãos Fernando e Flavio nas arquibancadas famosa curva do Café, e ao nosso lado quatro gaúchos e seu Doge, assistindo a corrida, assando uma carne e mateando. Como em toda prova de automobilismo o público tem uma facilidade muito grande de formar amizade, eles se mostraram um pouco decepcionado pois não havia na prova nenhum V8 correndo, foi quando o meu irmão mostrou a eles um Opala vermelho com um ronco muito característico, e eles ficaram mais animado com a prova.
            Aquela vitória do protótipo AS Vectra, foi realmente muito legal, lembro que o jornal esportivo “Lance!” colocou como manchete da prova, a seguinte frase, “Venceu a Gasolina Errada” pois a prova era patrocinada pela Petrobrás e o carro campeão era patrocinado pela Texaco, mas mais do que isso ele vencera o um dos maiores papões das Mil Milhas ou 3 Porsches.
            Mas para quem pensa que só torci para carros nacionais ou fracos, se enganam apesar de torcer muito para o Puma Metal Leve, o Aurora Alfa, o Aldee Nº 0, não tinha como não torcer por Nelson Piquet, Ingo e Cecotto na BMW M3, Rubens Barrichello e Raul Boesel no Escort Cosworth da Wolf e lógico para a dupla Wilsinho e Christian Fittipaldi na Porsche 911 NSR.
FÁBIO SOTTO MAIOR AGUARDANDO O PREPARO DO AURORA ALFA ROMEO

O ESCORT DE RUBENS BARRICHELO E RAUL BOESEL

AURORA ALFA DE PAULO GOMES E FÁBIO SOTTO MAIOR

O OMEGA LOTUS DE ANDREIA MATHEIS

PORSCHE 911 DE MAURICIO SALA E ANDRÉ LARA RESENDE
            Ai quiseram inventar, subir o nível, e com o passar dos anos a prova foi perdendo em charme, atratividade, ficando mais restrita e cara, tanto para equipes, como para público, até que em 2008 faleceu aquela que era a maior e mais bela prova do automobilismo brasileiro. Ai toda e qualquer outra tentativa de se fazer outras provas logo levantam-se saudosistas como eu que sonham em vê-la novamente movimentando nossos corações e sonhos.
            Assim caminhamos, na próxima postagem virei fazendo o meu elogio aos Gaúchos pela bela prova das 12h de Tarumã e ao paranaense Beto Borghesi o organizador das 500 Milhas de Londrina.

            Um grande abraço e até mais!!!!

TROVÃO AZUL DE PEDRO GARRAFA

CARRO DE APOIO DURANTE AS MIL MILHAS DE 2008


ACAMPAMENTO DA FAMÍLIA NOS TEMPOS ANTIGOS


A BRAZUCA DAS 25h DE INTERLAGOS


MIL MILHAS 2002

8 comentários:

Rui Amaral Jr disse...

Eles organizaram demais a organização...como vc bem escreveu a beleza da endurance é ver a diversidade outro dia escrevendo sobre Sebring me deparei com um Dauphine correndo contra as Maserati,Ferrari, Jaguar e outros carros com no mínimo dez vezes mais potencia, para isto existem as classes dentro das categorias...outro ponto negativo são as monomarcas disfarçadas com várias carrocerias...dos dirigentes não vou nem comentar...veja que o Barão e o Eloy para fazerem as Mil Milhas Brasileiras ofereciam belos prêmios! de largada e chegada...os dirigentes atuais só querem tirar nossa grana.

FÁBIO JAQUEIRE disse...

POIS É RUI! O PESSOAL DE HOJE SÓ VISA O LUCRO INSTANTÂNEO, E NADA MAIS! QUEREM QUE AS MIL MILHAS SUBAM DE PADRÃO NACIONAL PARA UMA PROVA DA WEC DO DIA PARA A NOITE. MAS SINCERAMENTE EU ACHO QUE TERÍAMOS QUE SER COMO O SR. FERNANDO COLLOR, TER AQUILO ROXO E COLOCAR O NOSSO REGULAMENTO PESSOAL, SEM DESCUIDAR DA SEGURANÇA É CLARO, MAS PROMOVENDO O VALE TUDO COMO ERA ANTIGAMENTE.

Joel Marcos Cesetti disse...

Parabéns! Excelente post.

FÁBIO JAQUEIRE disse...

MUITO OBRIGADO JOEL!

Caíque Pereira. disse...

Belo trabalho!!

FÁBIO JAQUEIRE disse...

VALEU CAÍQUE!!!

Fabiani C Gargioni #27 disse...

Verdade Fábio, tínhamos que ter um regulamento unificado entre as 500 milhas de Londrina as 12 hrs de Tarumã e a volta das Mil Milhas aí em Interlagos, já comentei sobre isso hj veja que a GT vai andar c om a Truck e criaram um regulamento para Protótipos mas apenas os de aro 18 agora me diga se os já construídos e os que estão em construção conseguem formar um grid de meia dúzia de carros. Este sempre foi o mal do Brasileiro em relação ao automobilismo: Querer elitizar o esporte e o que aconteceu todos nós já sabemos!!!

FÁBIO JAQUEIRE disse...

POIS É FABIANI! ACHO QUE O MOTIVO DISSO DEVE SER UM PATROCINADOR DE RODAS QUE DEVE SER O FORNECEDOR OFICIAL DA CATEGORIA. MAS SÓ SABEREMOS DISSO QUANDO O CAMPEONATO OU AO MENOS O SITE ESTIVER NO AR!